segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Porque estamos com alguem?..

Volta e meia perco-me a ler alguns textos de autores que gosto. Dei com este de Mário Quintana.
Gostei particularmente, pois considero que há coisas que só se aprendem depois de se adquiri alguma maturidade..através de alguns tombos. Penso exactamente assim, é escusado fazer qualquer tipo de comentário.
Aqui vai para vocês lerem, e para eu não me esquecer: )


"As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar... nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida."

Mário Quintana

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal

Que o Natal não perca a magia. Que nos continue a aquecer os corações e a lembrar que dar o melhor de nos vale sempre a pena...

Feliz Natal!!

domingo, 20 de dezembro de 2009

What a wonderful world



"(...)
Yes, I think to myself, what a wonderful world"

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Balançar

Ana este post é para ti. Porque és uma amiga e tanto. Porque torço para que encontres o que procuras. E porque para mim é bom saber que de vez em quando vens a este meu cantinho de divagações: )



"Se o que mata mais é não ver
o que a noite esconde
e não ter
nem sentir
o vento ardente
a soprar o coração."
(Mafalda Veiga)

Admiro-te muito. Boa sorte!: )

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Dias de chuva




Era mais um dia de chuva
E lá estava sozinha, com
Medo de encarar aquelas pequenas
Gotas em minhas pequenas
Asas.

Pensei em minha vida
Em meu futuro, em tudo,
Em todos, comecei a reflectir
Na natureza ao meu redor,
Nas arvores, em todos a minha
Volta, pois todos faziam parte
De mim.

Por um minuto pensei em
Lançar-me naquele temporal,
Mas, porque me lançar?
Irá adiantar alguma coisa?
Se sou infeliz, ou tenho problemas
O problema é meu, e aquele
Temporal, não irá dar fim aos meus
Problemas.

Com o meu pequeno bico
Comecei a cantar, comecei
A abrir minhas asas, e a deixar que
O vento e aquele pequeno temporal
Levasse a minha tristeza e a minha solidão.

Aos poucos o temporal começou a passar
E logo pensei, não sou livre? Não sei voar?
E porque me aprisionar em meus problemas?
Se tenho asas, se sei cantar entre as arvores?

O temporal passou, e voei entre as nuvens e
Descobri que temos asas, e que somos livres,
E que nós somos a nossa própria prisão, e a chave
Está entre nossas asas, A LIBERDADE

Count to ten



"Sometimes the fastest way to get there is to go slow, And sometimes if you wanna hold on you got to let go..."

1-2-3-4-5-6-7-8-9-ten...

Ouvi dizer que esta musica era para mim. Sim, leio o teu blogue: )

Caso o arrependimento não tome conta de ti, fica aqui uma saudade grande, um beijo terno, um sorriso doce... e um piscar de olhos da princesa pst pst ; )

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Uma experiência de Vida

Ando assim meia aérea... Esta altura do ano ainda continua a ser dificil para mim.

Aquela altura da magia do Natal, do aconchego da familia, do fernezim dos presentes...tentar comprar o presente especial para cada pessoa especial que faz parte de nós. Aquela altura do ano que nos faz ter esperanças que os sonhos acontecem e que existe sempre aquela estrela lá no alto que brilha por nós...

A questão é que tento manter este espirito dentro do meu coração, como boa sonhadora que sou, mas confesso que à medida que o tempo passa receio que de alguma forma perca esta capacidade de sonhar que tanto me caracteriza. Este acreditar no amor...que tudo vence...e que existe. Será que existe mesmo? Cada vez que me apaixono acredito que sim, mas as coisas não correm bem e volta a bater aquela descrença, só que cada vez bate mais forte.

Por e simplesmente somos descartados da vida de quem amamos e a quem nos entregámos. Ou então existem obstáculos tão grandes que para lutarmos pelo amor teria que se mudar uma vida completamente... Às vezes opta-se pela situação presente, a mais confortável, não comportando assim os riscos de um novo amor e da construção de uma nova relação. E tomam-se decisoes pela cabeça e não pelo coração.

Talvez até resultasse, provávelmente até iria resultar.... Mas fica o talvez...

Apaixonarmo-nos é o que nos dá vida, como se tivéssemos toda a força do mundo para combater tudo e todos, mas o reverso da medalha, caramba, dói tanto!

Faz agora 4 anos que a Joana nasceu e ainda me bate aquela angústia de sensações e sentimentos vividos naquela altura.

Ainda hoje tenho a sensação tão presente daquela noite tão solitária que passei na maternidade em Coimbra. Era um quarto enorme com 4 ou 5 camas, a minha era a unica cama ocupada. Este é o episódio da minha vida mais doloroso de falar, mas insisto em falar, pois quero que passe.

Passei metade da noite com uma enfermeira que de alguma forma se apercebeu da minha tristeza, apesar da alegria de ser mãe.... Não era suposto estar ali sozinha... Estava ansiosa e nervosa pelo dia de amanhã. O que me esperava? Iria ter mtas dores? Iria conseguir? Meu deus as dores que tinha nas costas, e que tive durante todo o ultimo mês. Como iria cuidar da Joana quando eu me sentia completamente de rastos? Sabia que só depois da Joaninha nascer eu me poderia reerguer, tomar decisões, atirar tudo pro alto e recomeçar do zero, com a minha princesa. Embora a decisão mais dificil já a tinha tomado à uns meses, a de pedir à pessoa que amava para se ir embora. O maior amor que devemos sentir é por nós próprios, não? No dia seguinte passei a manhã inteira sozinha na sala de preparação para o parto, perguntava de 5 em 5 minutos se já tinha chegado alguem da minha familia. Tinha tantas dores e a solidão era tão grande. As lágrimas escorriam-me descontroladamente dos olhos cada vez que tinha uma contracção. Precisava tanto de alguem perto de mim... Uma outra enfermeira acabou por apertar a minha mão com força e ficar um pouco cmgo. A minha mãe chegou à hora do almoço com uma amiga minha. A Joana nasceu às 18.09h do dia 29 de Dezembro. O momento era aquele.







Passei o fim de ano de 2005/06 na maternidade com a Joana deitada em cima do meu peito. Lembro-me de ouvir o som do programa da tv ao fundo que vinha da sala das enfermeiras. Digo-vos que foi uma passagem de ano mágica.

No dia seguinte tive alta e foi o começo de uma nova etapa..

Trouxe o que pude de Tomar, o resto ficou para trás...os amigos, as pessoas que durante 5 anos fizeram parte da minha familia, a casa, os meus cães, o café onde ía todos os dias, os lugares, os cheiros. Afinal foram 9 anos que lá vivi. Peguei no carro, na Joana e na minha Vira Lata e voltei para Setubal. Precisava do apoio da minha familia para montar casa, tratar da minha pequenita, arranjar trabalho e restabelecer-me.

Aos poucos tudo foi acontecendo, sempre com uma batalha enorme...entre muitas lágrimas pelos sonhos desfeitos, e muitas alegrias pelas conquistas feitas.

Hoje olho para trás e não sei como tive capacidade de passar por tanto, sozinha. E digo sozinha porque por mais acompanhados que estejamos, as decisoes são nossas, a batalha é nossa e o sofrimento é tão só nosso. Hoje tento imaginar o futuro e não faço ideia do que me espera... Por isso tento viver o presente da melhor forma, aproveitar cada experiência intensamente, viver e aprender com cada pessoa que passa na minha vida o mais intensamente possivel. Dar o melhor de mim. Nada na vida é tempo perdido, porque cada experiência enriquece-nos.

Não esqueço ninguem que entrou na minha vida.

Vendo a Joana a crescer apercebo-me melhor do tempo a passar, o tempo que passa e não volta atrás. Meu deus como ela está grande!

É a alegria da minha alma, a luz dos meus olhos. Fazemos uma equipa e tanto: ))

Sim, afinal parece que estou a conseguir... Ela sorri com a alma, é uma criança feliz. Estou a desempenhar bem a minha função.


"Todos nós já tivemos, de uma maneira ou de outra, experiências difíceis na vida. Isto faz parte de nossa viagem por esta Terra – e embora muitas vezes pensemos que “as coisas podiam ter acontecido de outra maneira” - o facto é que não podemos mudar o nosso passado. Por outro lado, é uma mentira pensar que tudo que nos acontece tem o seu lado bom; existem coisas que deixam marcas muito difíceis de superar, feridas que sangram muito. Como, então, nos livrarmos de nossas experiências amargas? Só existe uma maneira: vivendo o presente. Entendendo que, embora não possamos mudar o passado, podemos mudar a próxima hora, o que acontecerá durante à tarde, as decisões a serem tomadas antes de dormir. Como diz o velho provérbio hippie: “hoje é o primeiro dia do resto da minha vida”."

(Paulo Coelho)

Lembro-me de estar a conduzir, com o meu Seat atafulhado de coisas até acima, e ver pelo retrovisor Tomar a distanciar-se cada vez mais. Ía definitivamente para Setúbal e o que me passou pela cabeça naquele momento foi exactamente isto.. Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida!


E apesar de tudo.... Que sensação de LIBERDADE!!!!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Estrelas...


“As vezes, nossos sonhos caem no chão
Como pedacinhos de estrelas que pouco a pouco se apagam
Nosso coração, chora em silêncio,
E quando as lágrimas caem, gelam todo o corpo
E o coração de tanto amar se converte em gelo
Para não sofrer mais, para já não chorar,
Mas se voltar ao céu,
Te darás conta que tem milhões de estrelas
E cada uma é um sonho por cumprir,
E a força em seu interior,
Derreterá o gelo em teu coração.
Só nunca deixes de acreditar,
Porque o amor
E teus sonhos
São a única porta Para a eternidade.”

Entre Sono e Sonhos

Entre mim e o que em mim
É o quem eu me suponho
Corre um rio sem fim.
Passou por outras margens,
Diversas mais além,
Naquelas várias viagens
Que todo o rio tem.

Chegou onde hoje habito
A casa que hoje sou.
Passa, se eu me medito;
Se desperto, passou.

E quem me sinto e morre
No que me liga a mim
Dorme onde o rio corre —
Esse rio sem fim.
(Fernando Pessoa)


sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

You Can't Always Get What You Want..

Rolling Stones
Composição: Jagger / Richards

I saw her today at the reception
A glass of wine in her hand.
I knew she was gonna meet her connection,
At her feet was a footloose man.

And you can't always get what you want,
Honey, you can't always get what you want.
You can't always get what you want
But if you try sometimes, yeah,
You just might find you get what you need!

I went down to the demonstration
To get our fair share of abuse,
Singing, "We gonna vent our frustration."
If we don't we're gonna blow a fifty amp fuse.
So, I went to the Chelsea Drugstore
To get your prescription filled.
I was standing in line with my friend, Mr. Jimmy.
And man, did he look pretty ill.
We decided that we would have a soda,
My favorite flavour was cherry red.
I sing this song to my friend, Jimmy,
And he said one word to me and that was "dead."
And I said to him

And you can't always get what you want, honey.
You can't always get what you want.
You can't always get what you want.
But if you try sometimes, yeah,
You just might find you get what you need!

I saw her today at the reception.
In her glass was a bleeding man.
She was practiced at the art of deception;
I could tell by her blood-stained hands.

And you can't always get what you want, honey.
You can't always get what you want.
You can't always get what you want,
But if you try sometimes, yeah,
You just might find you get what you need!

And you can't always get what you want, honey,
You can't always get what you want,
You cant always get what you want,
But if you try sometimes, yeah,
You just might find you get what you need


sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Você não é idiota, certo?!

Hoje recebi este email de uma amiga. Achei no minimo interessante!...

Há coisas que fazem sentido colocar num blog e esta faz todo o sentido!!

"Conta-se que numa cidade do interior do Alentejo profundo, um grupo de pessoas divertia -se com o idiota da aldeia. Um pobre coitado, de pouca inteligência, e que vivia de pequenos biscates e esmolas.
Diariamente chamavam o idiota ao bar onde se reuniam e ofereciam -lhe para ele escolher duas moedas: uma grande de 25 centavos e outra menor, de 50 centavos. Ele escolhia sempre a maior e menos valiosa, o que era motivo de riso para todos.
Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e perguntou -lhe se ainda não se tinha apercebido de que a moeda maior valia menos.
'Eu sei' - respondeu o tolo: 'Ela vale duas vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira vai acabar e eu não vou mais ganhar a minha moeda'.

Pode-se tirar várias conclusões desta pequena narrativa.
A primeira: Quem parece idiota, nem sempre o é.
A segunda: Quais eram afinal os verdadeiros idiotas da história?
A terceira: Se você for ganancioso, acaba estragando a sua fonte de rendimento.
Mas a conclusão mais interessante é: A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito. Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas sim, o que realmente somos.

'O maior prazer de uma pessoa inteligente é parecer o idiota, diante de um idiota que parece inteligente'."

Curioso, não?!...

Revelar-me...

Já não vinha ao meu blogue a algum tempo. Hoje decidi dar uma vista de olhos aos posts que tenho vindo a escrever desde que iniciei este meu blogue....
Não há duvida que escrevemos muita coisa que nos revelam, coisas tão só nossas e sentimentos que na maior parte das vezes nem aos amigos revelamos. Talvez por andar cada um na sua vida, faz parte da evolução da vida: )
Provavelmente muito dos posts que aqui tenho, para vocês se tornem um tanto incompreensiveis...é normal. A mim dizem-me muito, até pq muitos deles revelam fases que passei! Como em muitos posts que tambem vocês têm nos vossos blogues.
É bom reler o que se escreveu e relembrar momentos.
E é especialmente isto que eu gosto no meu blogue....ir-me revelando, até para mim mesma!

Esta musica de Zelia Duncan (que é uma cantora que eu adoro) descreve bem estas minhas palavras...




Me Revelar
Zélia Duncan

Composição: C. Oyens e Zelia Duncan

Tudo aqui!
Quer me revelar
Minha letra
Minha roupa
Meu paladar
O que eu não digo
O que eu afirmo
Onde eu gosto de ficar
Quando amanheço
Quando me esqueço
Quando morro de medo do mar...

Tudo aqui!
Quer me revelar
Unhas roídas
Ausências, visitas
Cores na sala de estar...(2x)

O que eu procuro
O que eu rejeito
O que eu nunca vou recusar
Tudo em mim quer me revelar...

Tudo em mim!
Quer me revelar
Meu grito, meu beijo
Meu jeito de desejar
O que me preocupa
O que me ajuda
O que eu escolho prá amar
Quando amanheço
Quando me esqueço
Quando morro de medo do mar
Ah! Ah!...

Tudo aqui!
Quer me revelar
Unhas roídas
Ausências, visitas
Cores na sala de estar...(2x)

O que eu procuro
O que eu rejeito
O que eu nunca vou recusar
Tudo em mim quer me revelar
Ah! Ah! Ah! Ah!
Tudo em mim!

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Um sopro de Vida

"Não é que vivo em eterna mutação, com novas adaptações a meu renovado viver e nunca chego ao fim de cada um dos modos de existir. Vivo de esboços não acabados e vacilantes. Mas equilibro-me como posso, entre mim e eu, entre mim e os homens, entre mim e o Deus."

Um sopro de vida

(Clarice Lispector)


Tempo de Mudança

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final...
Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.
Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.

Pode-se passar muito tempo perguntando por que isso aconteceu....
Pode-se dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas na vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.
O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.
As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora...

Ninguém joga nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos.

Não esperemos que nos devolvam algo,que reconheçam o nosso esforço, que descubram o nosso gênio, que entendam o nosso amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como se sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.
Não há nada mais perigoso que decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal".
Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará!

Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida.
Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és..
E lembra-te:
Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão

(Fernando Pessoa)


De mim para mim: )

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Wish....




O meu desejo é simples, mas é secreto...Shhhh! Eu sei que tu sabes; )

"Nunca lhe dão um desejo sem também lhe dar o poder de realizá-lo."
(Richard Bach)

sábado, 3 de outubro de 2009

domingo, 27 de setembro de 2009

Sonhar....

"O homem pensa.
A mulher sonha.

Pensar é ter cérebro.
Sonhar é ter na fronte uma auréola.

O homem é um oceano.
A mulher é um lago.

O oceano tem a pérola que embeleza.
O lago tem a poesia que deslumbra.

O homem é a águia que voa.
A mulher, o rouxinol que canta.

Voar é dominar o espaço.
Cantar é conquistar a alma.

O homem tem um farol: a consciência.
A mulher tem uma estrela: a esperança.

O farol guia.
A esperança salva.

Enfim, o homem está colocado onde termina a terra.
A mulher, onde começa o céu!!!"
(Victor Hugo)

)



"Eu tenho uma espécie de dever, dever de sonhar, de sonhar sempre,
pois sendo mais do que um espetáculo de mim mesmo,
eu tenho que ter o melhor espetáculo que posso.
E, assim, me construo a ouro e sedas, em salas
supostas, invento palco, cenário para viver o meu sonho
entre luzes brandas e músicas invisíveis."

Dever de Sonhar
(Fernando Pessoa)

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Pressinto...

"Não sei teus gestos
nem a cor do teu sorriso
mas pressinto os passos."
(Eolo Yberê Libera)




















"Sinto,
pressinto,
ressinto...
Escrevo palavras
desordenadas,
inacabadas....
Quero,
espero,
desespero.....
Só"

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Rifa-se um Coração...



Rifa-se um coração
Rifa-se um coração quase novo.
Um coração idealista.
Um coração como poucos.
Um coração à moda antiga.
Um coração criança que insiste
em pregar peças no seu usuário.
Rifa-se um coração que na realidade está um
pouco usado, meio calejado, muito machucado
e que teima em alimentar sonhos e, cultivar ilusões.
Um pouco inconseqüente que nunca desiste
de acreditar nas pessoas.
Um leviano e precipitado coração
que acha que Tim Maia
estava certo quando escreveu...
"...não quero dinheiro, eu quero amor sincero,
é isso que eu espero...".
Um idealista...Um verdadeiro sonhador...
Rifa-se um coração que nunca aprende.
Que não endurece, e mantém sempre viva a
esperança de ser feliz, sendo simples e natural.
Um coração insensato que comanda o racional
sendo louco o suficiente para se apaixonar.
Um furioso suicida que vive procurando
relações e emoções verdadeiras.
Rifa-se um coração que insiste em cometer
sempre os mesmos erros.
Esse coração que erra, briga, se expõe.
Perde o juízo por completo em nome
de causas e paixões.
Sai do sério e, às vezes revê suas posições
arrependido de palavras e gestos.
Este coração tantas vezes incompreendido.
Tantas vezes provocado.
Tantas vezes impulsivo.
Rifa-se este desequilibrado emocional
que abre sorrisos tão largos que quase dá
pra engolir as orelhas, mas que
também arranca lágrimas
e faz murchar o rosto.
Um coração para ser alugado,
ou mesmo utilizado
por quem gosta de emoções fortes.
Um órgão abestado indicado apenas para
quem quer viver intensamente
contra indicado para os que apenas pretendem
passar pela vida matando o tempo,
defendendo-se das emoções.
Rifa-se um coração tão inocente
que se mostra sem armaduras
e deixa louco o seu usuário.
Um coração que quando parar de bater
ouvirá o seu usuário dizer
para São Pedro na hora da prestação de contas:
"O Senhor pode conferir. Eu fiz tudo certo,
só errei quando coloquei sentimento.
Só fiz bobagens e me dei mal
quando ouvi este louco coração de criança
que insiste em não endurecer e,
se recusa a envelhecer"
Rifa-se um coração, ou mesmo troca-se por
outro que tenha um pouco mais de juízo.
Um órgão mais fiel ao seu usuário.
Um amigo do peito que não maltrate
tanto o ser que o abriga.
Um coração que não seja tão inconseqüente.
Rifa-se um coração cego, surdo e mudo,
mas que incomoda um bocado.
Um verdadeiro caçador de aventuras que ainda
não foi adotado, provavelmente, por se recusar
a cultivar ares selvagens ou racionais,
por não querer perder o estilo.
Oferece-se um coração vadio,
sem raça, sem pedigree.
Um simples coração humano.
Um impulsivo membro de comportamento
até meio ultrapassado.
Um modelo cheio de defeitos que,
mesmo estando fora do mercado,
faz questão de não se modernizar,
mas vez por outra,
constrange o corpo que o domina.
Um velho coração que convence
seu usuário a publicar seus segredos
e a ter a petulância de se aventurar como poeta

(Clarice Lispector)

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Coisa amar

Contar-te longamente as perigosas
coisas do mar. Contar-te o amor ardente
e as ilhas que só há no verbo amar.
Contar-te longamente longamente.

Amor ardente. Amor ardente. E mar.
Contar-te longamente as misteriosas
maravilhas do verbo navegar.
E mar. Amar: as coisas perigosas.

Contar-te longamente que já foi
num tempo doce coisa amar. E mar.
Contar-te longamente como doi

desembarcar nas ilhas misteriosas.
Contar-te o mar ardente e o verbo amar.
E longamente as coisas perigosas.

(Manuel Alegre)

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Without You



Without You
Empire Of The Sun

No, no shapes at all
Nothing real or artificial
No energy or heat
No troughs there are no peaks

No hangover from last night
No shame in first light
No time there’ll be no change
No colours to rearrange

I get that feeling
When we’re apart
I get the teaching that I can’t be without you
Without you babe

No future there is no past
No slow there is no fast
No grace with which to admire
No face there is no desire

No symmetry or peace
No sirens or police
No cameras and no phones
No photographs and no tones

I get that feeling
When we’re apart
I get the teaching that I can’t be without you
Without you babe

Come on, hey now, come on, hey now, come on
Take my heart in your hands
Come on, hey now, come on, hey now, come on
Take my heart in your hands

We Are The People



We Are The People
Empire Of The Sun

We can remember swimming in December,
Heading for the city lights in 1975,
We share in each other,
Nearer than father,
The scent of a lemon drips from your eyes

We are the people that rule the world.
A force running in every boy and girl,
All rejoicing in the world,
Take me now – we can try.

We lived an adventure
Love in the Summer,
Followed the sun till night
Reminiscing other times of life,
For each every other
The feeling was stronger,
The shock hit eleven – Got lost in your eyes

I can’t do well when I think you’re gonna leave me,
But I know I try,
Are you gonna leave me now,
Can’t you be believing now.

Can you remember and humanise,
It was still where we’d energised,
Lie in the sand and visualise
Like its 75 again,

I know everything about you,
You know everything about me,
Know everything about us

Sebastião da Gama

À pouco tempo desloquei-me até Azeitão, ao Museu Sebastião da Gama, com uma colega de trabalho. Tinhamos como objectivo reunirmo-nos com uma outra colega, a fim de percebermos que trabalhos de restauro eram necessário em documentos gráficos. Esta visita foi para mim uma surpresa....
Entrámos no museu, fizeram-se as apresentações, e a colega com quem me tinha deslocado mostrou-me a exposição do poeta. Fiquei fascinada com o rico espólio que se encontrava (e encontra-se) exposto. Este espólio foi doado pela viúva, ainda viva, do poeta.
As paredes encontram-se forradas com fotos, frases e poemas do autor... Fiquei de tal forma fascinada que quando me lembrei o que lá tinha ido fazer as minhas colegas já estavam a terminar a reunião: )
Durante este dia, e nos dias a seguir, questionei-me como seria possivel eu não conhecer este poeta fantástico da minha terra. Ainda por cima gostando eu tanto de poesia.
Andarei eu completamente distraída? Ou será que nas nossas escolas só se estudam os grandes autores, esquecendo os artistas que marcaram a historia da nossa cidade??
Bom, aproveito para vos deixar alguns poemas do autor e alguma bibliografia, aproveitando assim para vos dar a conhecer o "poeta da arrábida", tal como é conhecido!

O poeta da Arrábida morreu jovem, mas teve tempo para dar voz à Serra, ao mar e aos homens que deles vivem. Foi há 53 anos, mas a obra de Sebastião da Gama, autor de um Pequeno Poema, não está ainda esquecida.


PEQUENO POEMA

Quando eu nasci,
ficou tudo como estava.

Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve Estrelas a mais...
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém...

Pra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe...


Sebastião Artur Cardoso da Gama nasce em Vila Nogueira de Azeitão, a 10 de Abril de 1924. Logo aos 14 anos é-lhe diagnosticada a tuberculose óssea que haveria de lhe custar a vida. A conselho do médico, muda-se com a mãe para a Serra da Arrábida, cenário de sonho que será o “primeiro amor” da sua poesia.
Tal como Alexandre Herculano antes de si, o jovem Sebastião não se cansa de cantar a Serra: em Serra Mãe, Loas a Nossa Senhora da Arrábida e Cabo da Boa Esperança, os caminhos mais recônditos e as gentes da Serra são personagens principais.

Para além da Arrábida, é o mar que encanta o jovem Sebastião, a quem a doença e o isolamento parecem não retirar alegria, vivacidade e facilidade de relacionamento com as pessoas. Como com os pescadores e lavradores, a quem admirava o linguajar.

O início da década de 50 parece promissor para o poeta: em 1951 casa com a amiga de adolescência e vizinha Joana Luísa, na Capela da Arrábida, e nesse mesmo ano publica o quarto volume de poesia, Campo Aberto.
No ano seguinte, no entanto, o seu estado de saúde, que sempre fora débil, agrava-se e Sebastião é internado em Lisboa. Sete meses após o casamento, e aos 27 anos de idade, o autor de Pequeno Poema morre vítima de uma meningite renal.

Joana Luísa empenha-se, após a morte do marido, na publicação dos seus inéditos. É assim que, postumamente, são lançados Pelo Sonho é que Vamos, Diário, O Segredo é Amar e Itinerário Paralelo.
Em 1999, Vila Nogueira de Azeitão passou a acolher o museu onde se reúnem o espólio artístico e alguns objectos pessoais de um dos mais queridos filhos da terra.

Apesar de ser um poeta modestamente reconhecido, são bastante populares o Pequeno Poema e Pelo Sonho é que Vamos. Poeta popular sem ser “popularucho”, Sebastião da Gama não se inseriu em nenhuma corrente literária em particular. A sua rima fácil, o verso fluído e as imagens luminosas fazem dele um autor a não esquecer, ainda que sobre a sua morte já tenham passado 53 anos.



O SOL JÁ SE ESCONDEU...

O sol já se escondeu...
Precisamente quando,
feliz,
eu desatei a cantar.
(Só por feliz eu cantei).

Agora quero acabar,
que já me dói a garganta
mas vou ainda cantando,
temendo
dar por mim de novo triste
assim que esteja calado
(...Como se a minha Alegria
nascesse de eu ter cantado).

in Serra-Mãe



O SONHO

Pelo Sonho é que vamos,
comovidos e mudos.
Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não haja frutos,
pelo sonho é que vamos.

Basta a fé no que temos,
Basta a esperança naquilo
que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
com a mesma alegria,
ao que desconhecemos
e ao que é do dia-a-dia.

Chegamos? Não chegamos?

- Partimos. Vamos. Somos.


in Pelo sonho é que vamos

A alegria na tristeza

"O título desse texto na verdade não é meu, e sim de um poema do uruguaio Mario Benedetti. No original, chama-se "Alegría de la tristeza" e está no livro "La vida ese paréntesis" que, até onde sei, permanece inédito no Brasil.

O poema diz que a gente pode entristecer-se por vários motivos ou por nenhum motivo aparente, a tristeza pode ser por nós mesmos ou pelas dores do mundo, pode advir de uma palavra ou de um gesto, mas que ela sempre aparece e devemos nos aprontar para recebê-la, porque existe uma alegria inesperada na tristeza, que vem do fato de ainda conseguirmos senti-la.

Pode parecer confuso mas é um alento. Olhe para o lado: estamos vivendo numa era em que pessoas matam em briga de trânsito, matam por um boné, matam para se divertir. Além disso, as pessoas estão sem dinheiro. Quem tem emprego, segura. Quem não tem, procura. Os que possuem um amor desconfiam até da própria sombra, já que há muita oferta de sexo no mercado. E a gente corre pra caramba, é escravo do relógio, não consegue mais ficar deitado numa rede, lendo um livro, ouvindo música. Há tanta coisa pra fazer que resta pouco tempo pra sentir.

Por isso, qualquer sentimento é bem-vindo, mesmo que não seja uma euforia, um gozo, um entusiasmo, mesmo que seja uma melancolia. Sentir é um verbo que se conjuga para dentro, ao contrário do fazer, que é conjugado pra fora.

Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta. Fazer é muito barulhento.

Sentir é um retiro, fazer é uma festa. O sentir não pode ser escutado, apenas auscultado. Sentir e fazer, ambos são necessários, mas só o fazer rende grana, contatos, diplomas, convites, aquisições. Até parece que sentir não serve para subir na vida.

Uma pessoa triste é evitada. Não cabe no mundo da propaganda dos cremes dentais, dos pagodes, dos carnavais. Tristeza parece praga, lepra, doença contagiosa, um estacionamento proibido. Ok, tristeza não faz realmente bem pra saúde, mas a introspecção é um recuo providencial, pois é quando silenciamos que melhor conversamos com nossos botões. E dessa conversa sai luz, lições, sinais, e a tristeza acaba saindo também, dando espaço para uma alegria nova e revitalizada. Triste é não sentir nada."

Martha Medeiros

domingo, 6 de setembro de 2009

Lúcida entre as loucuras

"Sem rumo, sem direção
E o pior de tudo
Lúcida.
Queria enlouquecer
Entrar em devaneios, paranóias
Mas a racionalidade me devora.
Queria voar até o céu
Queria sentir o prazer da plenitude
Mas minhas asas se desfazem
Nas mínimas alturas.
Queria subir na montanha mais alta
E berrar coisas inteligíveis
Queria quebrar vidraças
Queria rasgar meu coração, mas
Minha razão não me abandona.
Queria me desvencilhar dela
Pelo menos por um instante
E me permitir enlouquecer.
Me permitir não responder
Me permitir chutar todos os baldes pela frente
Me permitir dizer não
Deixar meu ID se libertar
Ser selvagem
Ser cruel.
Mas o máximo que consigo
É permanecer
Sem rumo, sem direção
E o pior de tudo
Lúcida."
(Jussara Alves)



Tento-me concentrar nos meus objectivos, mas parece-me tudo tão dificil, tão longinquo que me faz sentir enfraquecida...Pergunto-me se algum dia conseguirei?!
Sinto perder em mim aquela menina dinâmica e sonhadora, que sentia energia para mover o mundo se assim fosse necessário para concretizar os seus sonhos.
Hoje tenho apenas objectivos, e sinto uma dificuldade enorme em concretizá-los. Por mais que batalhe e mantenha o ânimo, existem estes dias que me fazem esmorecer e perder a esperança.
O que me obriga a encontrar um rumo, uma direcção são as responsabilidades que tenho. Mas são essas mesmas responsabilidades que me obrigam a estar lucida e a perder as minhas asas.
Tenho saudades de ser menina, tenho saudades dos meus sonhos....tenho saudades de não estar lucida...
E continuo a caminhar, não sei muito bem para onde, talvez pelo unico caminho que deva ir, a encarar a vida e a tentar, mais uma vez, reconstruir, reconstruir e reconstruir....pois é o que tenho feito estes ultimos anos. Não sei quando, mas hei-de conseguir!!..

terça-feira, 1 de setembro de 2009

O Ritmo Inadiável

"A dança é qualquer coisa que nasceu com o próprio Homem, e é uma expressão, simultaneamente, de liberdade e de alegria. É um reflexo, como diriam os nossos avós, “do que nos vai na alma”. A comunicação começa e fundamenta-se entre o gesto e a palavra.
Diz o povo que “o gesto é tudo” e pode-se, precisamente, num desencadear de gestos, no crescer de um ritmo de atitudes, construir uma mensagem relativamente às nossas inquietações, àquilo que nos ocupa e preocupa e, digamos até, a um universo total do mistério da existência.

Diria mesmo, que a dança é, realmente, a poética do gesto, a corporização que cresce nesse gesto, manifestando um discurso que oferece a quem a olha uma determinada mensagem, concreta.
Eu acredito numa dança de improviso.

Entendo perfeitamente que se pode até dançar embalado por uma música interior, a nossa própria música. Nós somos o reflexo de um mundo que nos envolve."
(Lagoa Henriques, excerto retirado da Revista da dança reedição a 21 de Fevereiro de 2009)




Adoro dançar! Gosto de dançar ao som de qualquer musica, em qualquer companhia. Em sitios lotados de gente, ou até a meio gás: )
Gosto de dançar com a minha filha.
Mas a dança que mais gosto é a solitária...quando estou em casa sozinha, comigo própria. Sentir o chão nas palmas do pés e dançar comigo própria. Libertar-me....
Enfim, segredos meus: )


"Mostrem-me como dança um povo e eu lhes direi se a sua civilização está doente ou de boa saúde."
(Sábio Confúcio, China, séc.VI).

domingo, 30 de agosto de 2009

One Love - Sara Tavares

Adoro esta musica!
O ritmo e a mistura de linguas.... esta musica transpira sensualidade.
Dá vontade de dançar... descalçar os sapatos, fechar os olhos e dançar, dançar muitoo: ))

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Eu ainda acredito...

"Eu ainda acredito em fadas, em criaturas estranhas, em pessoas invisíveis ao meu redor.
Continuo a acreditar em animais falantes, e tudo que as pessoas julgam que não é real.
Continuo a acreditar em sonhos, também os que normalmente não podem ser atingidos.
Eu ainda acredito nas coisas bonitas e de beleza que não quer algo em troca.
Eu ainda acredito na esperança, e eu continuo a acreditar no destino.
Acredito que se algo tem de acontecer, vai acontecer de qualquer forma.
Eu ainda acredito em momentos felizes, que raramente aparecem.
E continuo a acreditar que o tempo vai consertar as coisas."


quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Portas...

"Se abres uma porta, podes ou não entrar em uma nova sala. Podes não entrar e ficar observando a vida.
Mas se venceres a dúvida, o temor, e entrar, dás um grande passo: nesta sala vive-se ! Mas, também, tem um preço...
São inúmeras outras portas que se descobre. Às vezes curte-se mil e uma. O grande segredo é saber quando e qual porta deve ser aberta.
A vida não é rigorosa, ela propicia erros e acertos. Os erros podem ser transformados em acertos quando com eles se aprende.
Não existe a segurança do acerto eterno.
A vida é generosa, a cada sala que se vive, descobre-se tantas outras portas. E a vida enriquece quem se arrisca a abrir novas portas.
Ela privilegia quem descobre seus segredos e generosamente oferece afortunadas portas. Mas a vida também pode ser dura e severa.
Se não ultrapassares a porta, terás sempre a mesma porta pela frente.
É a repetição perante a criação, é a monotonia monocromática perante a multiplicidade das cores, é a estagnação da vida...

Para a vida, as portas não são obstáculos, mas diferentes passagens!"




Quando se entra, deve-se entrar completamente. Caso contrário é como se ficássemos com uma perna lá e outra cá.... e é tão frustrante!
"A vida não é rigorosa", "Não existe a segurança do acerto eterno"....então porque não dar-mo-nos, abrir os braços à vida e viver. Mas viver de corpo e alma!!
Nem que seja o momento, pode ser que esse momento seja eterno...

"Os erros podem ser transformados em acertos quando com eles se aprende."


"Nunca tive medo de me mostrar. Você pode ficar escondido em casa, protegido pelas paredes. Mas você tá vivo, e essa vida é pra se mostrar. Esse é o meu espetáculo. Só quem se mostra se encontra. Por mais que se perca no caminho."
(Cazuza)

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Secret World



Secret World
Peter Gabriel

I stood in this sunsheltered place
'Til I could see the face behind the face
All that had gone before had left no trace

Down by the railway siding
In our secret world, we were colliding
All the places we were hiding love
What was it we were thinking of?

So I watch you wash your hair
Underwater, unaware
And the plane flies through the air
Did you think you didn't have to choose it
That I alone could win or lose it
In all the places we were hiding love
What was it we were thinking of?

In this house of make believe
Divided in two, like Adam and Eve
You put out and I recieve

{Chorus:}
Down by the railway siding
In our secret world, we were colliding
In all the places we were hiding love
What was it we were thinking of?

Oh the wheel is turning spinning round and round
And the house is crubling but the stairways stand

With no guilt and no shame, no sorrow or blame
Whatever it is, we are all the same

Making it up in our secret world [x3]
Shaking it up
Breaking it up
Making it up in our secret world

Seeing things that were not there
On a wing on a prayer
In this state of disrepair


Shh, listen...

Sonho...


Quero
Nos teus quartos forrados de luar
Onde nenhum dos meus gestos faz barulho
Voltar.
E sentar-me um instante
Na beira da janela contra os astros
E olhando para dentro contemplar-te,
Tu dormindo antes de jamais teres acordado,
Tu como um rio adormecido e doce
Seguindo a voz do vento e a voz do mar
Subindo as escadas que sobem pelo ar.


(Sophia de Mello Breyner Andresen)

sábado, 22 de agosto de 2009

O Principezinho




"O que conduz o mundo é o espírito e não a inteligência."

"Foi o tempo que perdi com a minha rosa que a fez tão importante."

"Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo."

"Na vida, não existem soluções. Existem forças em marcha: é preciso criá-las e, então, a elas seguem-se as soluções."

"Não há uma fatalidade exterior. Mas existe uma fatalidade interior: há sempre um minuto em que nos descobrimos vulneráveis; então, os erros atraem-nos como uma vertigem. "

"Há vitórias que exaltam, outras que corrompem; derrotas que matam, outras que despertam."

"O que nos salva é dar um passo e outro ainda."

"O progresso do homem não é mais do que uma descoberta gradual de que as suas perguntas não têm significado."

"Ao reencontrar os amigos, todos nós já provamos o encanto das más lembranças."

"Se a vida não tem preço, nós comportamo-nos sempre como se alguma coisa ultrapassasse, em valor, a vida humana... Mas o quê?"

"Ninguém se pode sentir, ao mesmo tempo, responsável e desprezado."

"Para que haja uma árvore florida, é preciso haver antes uma árvore; e, para haver um homem feliz, é preciso haver em primeiro lugar um homem."

"Ter um amigo não é coisa de que todos podem gabar-se."

"Para enxergar com clareza, basta mudar a direção da mira."

"O fracasso fortifica aos fortes."

"A fuga nunca levou ninguém a nenhum lugar."

"Se queres compreender a palavra 'felicidade', indispensável se torna entendê-la como recompensa e não como fim."

"O mundo inteiro se abre quando vê passar a um homem que sabe aonde vai."

"Tu és eternamente responsável por aquilo que cativas."

[Antoine de Saint-Exupéry]

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Sufoco de sentimentos...

Saudade bate fundo no meu peito... Um aperto na minha alma... Sufoco de sentimentos...


quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Palavras ao vento!

"Todas as palavras tomadas literalmente são falsas. A verdade mora no silêncio que existe em volta das palavras. Prestar atenção ao que não foi dito, ler as entrelinhas. A atenção flutua: toca as palavras sem ser por elas enfeitiçada. Cuidado com a sedução da clareza! Cuidado com o engano do óbvio!"
(Rubem Alves)

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Passos em Volta

Não fosse Jorge Palma o meu cantor e compositor preferido!
Não vou falar muito, pois se começo não me calo. Além de ser um artista que tem tanto para dizer, para mim as músicas dele têm história, pois têm-me acompanhado desde sempre. Talvez desde que me conheço por gente : ))
Por isso deixo apenas este video... É um pouco o que sinto em relação a mim.




Passos em Volta
Composição: Jorge Palma

Quando o sol chegou aos subúrbios da cidade
Anunciando mais um dia igual aos outros
Ele acordou e pressentiu
Que hoje o seu dia ia ser diferente
Sentiu nos lábios o sabor
Dum sorriso finalmente triunfante
Escorregou da cama
E contemplou o espelho sorridente

Acabou-se a incerteza dos seus passos em volta
De um sentido que ele nunca encontrou
Pela primeira vez tinha o destino nas mãos
Desta vez ele não duvidou

Sentiu-se invadir por uma estranha lucidez
Que o conduzia pelas calhas do passado
Serenamente descobriu
Que afinal tudo tinha o seu sentido
Levou o olhar á janela
Lá em baixo a rua estava abandonada
Levantou o fecho
E de repente alcançou a liberdade

Acabou-se a angústia dos seus passos em volta
Dum amor com que ele apenas sonhou
Pela primeira vez tinha o futuro nas mãos
Abriu a janela e voou

Sorrio à vida

"No meio das trevas, sorrio à vida, como se conhecesse a fórmula mágica que transforma o mal e a tristeza em claridade e em felicidade. Então, procuro uma razão para esta alegria, não a acho e não posso deixar de rir de mim mesma. Creio que a própria vida é o único segredo."
(Rosa Luxemburgo)

Oportunidades...

Às vezes penso que a vida nos põe à prova... Acredito que só somos colocados à prova para situações as quais estamos preparados para enfrentar!
Hoje comentava com uma grande amiga: realmente passamos com cada coisa nesta vida. É como se fossemos postos à prova...e é bem verdade!
Sinto no meu intímo que mais uma vez iniciei uma nova etapa na minha vida. Aliás já a iniciei à umas semanas, a realidade é que só nestes ultimos dias tive essa percepção. É como se estivesse estado em stand by...
Sabia que dentro de mim iria encontrar as minhas respostas: )
Hoje tive a certeza de que, sem dúvida, consigo manter a capacidade de criar oportunidades em situações que, por instantes, me parecem não ter fundamento, ou qualquer futuro.
Encontro-me serena e calma, com a visão atenta e a cabeça aberta a mudar de planos conforme o rumo que a minha vida tomar.
Não deixarei passar qualquer oportunidade em branco, estou alerta!
Pois, parece que voltei a mim.... para mim: ))
É verdade que as oportunidades surgem, mas muitas vezes temos que ter a capacidade de as ver. Ou mesmo de as criar!
Neste momento estou, não obececada, mas obstinada em as criar!


"A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades."
(Marxwell Maltz)



"A vida é feita de oportunidades, quando não as encontrar crie as suas..."
(frank)

sábado, 15 de agosto de 2009

Eu...



"Nunca fui menina bem alienada. Pudera, nunca tive vocação pra ser Amelia, para cegueira mutipla e discursos sem opnião própria.
Eu quero da vida o que ela tem de cru e de belo. Não estou aqui para que gostem de mim. Estou aqui para aprender a gostar de cada detalhe que tenho. E para seduzir somente o que me acrescenta.
Adoro a poesia e gosto de descascá-la até a fratura exposta da palavra.
A palavra é meu inferno e minha paz.
Sou dramática, intensa, transitória e tenho uma alegria em mim que me deixa exausta.
Eu sei sorrir com os olhos e gargalhar com o corpo todo.
Sei chorar toda encolhida abraçando as pernas.
Por isso, não me venham com meios-termos, com mais ou menos ou qualquer coisa. Venha a mim com opniões formadas, alma, vísceras, tripas e ideais...
Eu acredito é em alegrias explosivas, em olhares faiscantes, em sorrisos com os olhos, em xingamentos amáveis, em abraços que trazem pra vida da gente.
Acredito em coisas sinceramente compartilhadas.
Em gente que fala verdades, na voz e no conteúdo.
Eu acredito em profundidades.
E tenho medo de altura, mas não evito meus abismos.
São eles que me dão a dimensão do que sou."

(Myllena Queiroz)

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Equilibrio!

"Equilíbrio é a habilidade de olhar para a vida a partir de uma perspectiva clara - fazer a coisa certa no momento certo.
Uma pessoa equilibrada será capaz de apreciar a beleza e o significado de cada situação seja ela adversa ou favorável.
Equilíbrio é a habilidade de aprender com a situação e de prosseguir com sentimentos positivos. É estar sempre alerta, ser totalmente focado, e ter uma visão ampla.
Equilíbrio vem do entendimento, humildade e tolerância. O mais elevado estado de equilíbrio é voar livre de tudo e, ainda assim, manter-se firmemente enraizado na realidade do mundo."
(Brahma Kumaris)



"A vida guarda a sabedoria do equilíbrio e nada acontece sem uma razão justa."
(Zíbia Gasparetto)

terça-feira, 11 de agosto de 2009

O Maior Tesouro

"Certa vez, um homem caminhava pela
praia numa noite de lua a cheia.
Pensava desta forma:

Se tivesse um carro novo, seria feliz;
Se tivesse uma casa grande, seria feliz;
Se tivesse um excelente trabalho, seria feliz;
Se tivesse uma parceira perfeita, seria feliz,
Quando tropeçou num saco
cheia de pedras.
Ele começou a lanças as pedrinhas uma a uma
no mar cada vez que dizia:
Seria feliz se tivesse...

Assim o fez até que somente ficou com uma pedrinha no saco, que decidiu guardá- la.

Ao chegar em casa percebeu que aquela pedrinha tratava-se de um diamante muito valioso.

Você imagina quantos diamantes ele lançou
ao mar sem parar para pensar?
Assim são as pessoas... lançam fora seus
preciosos tesouros por estarem esperando
o que acreditam ser perfeito ou sonhando e desejando o que não têm, sem dar valor
ao que têm perto delas.

Se olhassem ao redor, parando para observar, perceberiam quão afortunadas são.
Muito perto de si está sua felicidade.
Cada pedrinha deve ser observada...
pode ser um diamante valioso.

Cada um de nossos dias pode ser considerado
um diamante precioso, valioso e nsubstituível.
Depende de cada um aproveitá-lo ou lançá-lo
ao mar do esquecimento para nunca mais recuperá-lo.


A morte não é a maior perda da vida.
A maior perda da vida é o que morre
dentro de nós enquanto vivemos."

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Onde está a Sininho?

Continuo a procurar a sininho que há em mim.....
Não sei onde raio se meteu a fada, irraaa: )

Ela hoje deu-me um sinal, deve estar quase quase a voltar! : ))

Sininhoooooooooooo...... Também quero ir à Terra do Nunca!!

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Panorama Além

Hoje tive um dia um tanto ou quanto estranho. Nem sei bem descrevê-lo.
Provávelmente devido ao meu estado de espírito... Assim quando conseguir descrever este dia, escreverei sobre o assunto.
Ainda ando a apalpar terreno, como se costuma dizer. Não sei o que esta experiência me trará...
Talvez dependa de mim.
Eu, que nem sei dizer como estou.... Talvez um pouco como este poema, ou muito!...
Não sei onde estou... Não me sinto...
Não fazia ideia o quanto iria sentir falta de mim. Bem sei que estas palavras que escrevo parecem absurdas. Antes fossem...

Panorama Além

"Não sei que tempo faz, nem se é noite ou se é dia.
Não sinto onde é que estou, nem se estou. Não sei de nada.
Nem de ódio, nem amor. Tédio? Melancolia.
-Existência parada. Existência acabada.

Nem se pode saber do que outrora existia.
A cegueira no olhar. Toda a noite calada
no ouvido. Presa a voz. Gesto vão. Boca fria.
A alma, um deserto branco: -o luar triste na geada...

Silêncio. Eternidade. Infinito. Segredo.
Onde, as almas irmãs? Onde, Deus? Que degredo!
Ninguém.... O ermo atrás do ermo: - é a paisagem daqui.

Tudo opaco... E sem luz... E sem treva... O ar absorto...
Tudo em paz... Tudo só... Tudo irreal... Tudo morto...
Por que foi que eu morri? Quando foi que eu morri?"

(Cecília Meireles)

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Me, Myself and I (The Gift)

Me, Myself and I é uma musica extraordinária.
A letra está fantástica, mas confesso que para se conseguir aguentar ouvir a musica até ao fim, é preciso realmente gostar do género!
Aliás, na minha opinião as letras das musicas dos The Gift são espectaculares.
Como jé devem ter reparado, gosto de ouvir musica, mas gosto essencialmente de ouvir o conteúdo.
Para mim, musica tem que ter poesia...

Eu gosto particularmente deste grupo, embora tenha que admitir que estou numa fase de musica um pouco estranha: )




Amanhã inicio funções na Câmara de Setúbal, não sei a fazer muito bem o quê... Amanhã verei. Sei que vou trabalhar na área do Restauro.
A vida tem coisas curiosas, depois de tantos anos volto à base dos antigos gostos e sonhos: ) Por algum motivo ingressei no curso de Conservação e Restauro em Tomar!
Se à 8 anos me dissessem que iria fazer trabalho prático nesta área diria q era impossivel: ))

Xixi e cama que se faz tarde!

Bons sonhos....

domingo, 2 de agosto de 2009

Pedro Abrunhosa - Dificil

Para quem gosta, e eu gosto, Pedro abrunhosa tem letras fabulosas.
É preciso saber ouvi-las com o coração.
É musica com poesia....



"Hoje acordei, e senti-me sozinho
Um barco sem vela, um corpo sem ritmo
Amanheci e vesti-me de preto
Um gesto cansado um olhar no deserto

Quando todos vão dormir
É mais fácil desistir
Quando a noite está a chegar
É difícil não chorar

Eu não quero ser
A luz que já não sou
Não quero ser primeiro
Sou o tempo que acabou
Eu não quero ser
As lágrimas que vês
Não quero ser primeiro
Sou um barco nas marés

Adormeci, sem te ter a meu lado
Um corpo sem alma, guitarra sem fado
Um sonho na noite e olhei-me ao espelho
Umas mãos de criança num rosto de velho

Quando todos vão dormir
É mais fácil desistir
Quando a noite está a chegar
É difícil não chorar

Eu não quero ser
A luz que já não sou
Não quero ser primeiro
Sou o tempo que acabou
Eu não quero ser
As lágrimas que vês
Não quero ser primeiro
Sou um barco nas marés"

Desabafo



Hoje alguém me perguntava.... "hum, estás muito alegre!? Aconteceu alguma coisa?"
Achei curioso, no fundo nem eu me tinha apercebido como aparentava estar.
É no minimo curioso esta capacidade que tenho.
Pensei, o meu objectivo agora é transmitir alegria para dar força, pois a dor que se sente aqui hoje é maior do que a minha. E assim o fiz.... Ainda bem que parecia alegria! Consegui fazer o que me propus fazer! Boa Erica.
A realidade é que me sinto sem força, sem capacidade....e entristecida. Mas se acreditarmos com muita convicção, ao ponto de demonstrar, que nos sentimos bem, que estamos alegres talvez funcione e me sinta assim mesmo.
Como aquele tipo de piadas que tenho a mania de dizer, talvez porque goste de fazer sorrir...
Sorrir é importante, não?
Terá sido hoje apenas uma bolsa de oxigénio?
Não sei!
Mas ajuda a levar.
A aparente fortaleza e poço de alegria ajuda os outros, e talvez a mim mesma na maior parte das vezes.
Hoje não!
Hoje fez-me sentir ainda mais cansada, cansada como me tenho sentido à vários dias. Talvez semanas.
Também sei que devagar se constrói, ou se reconstrói algo....
Fiz o meu exame, o tal que me correu tão mal. Tive 11 valores e afinal ainda vou concorrer na 1ª fase.
Tenho poucas hipoteses de conseguir entrar no curso que quero mas vou tentar. Até porque posso concorrer para mais cursos com o mesmo exame, e sei que para os outros tenho grandes probabilidades de entrar.
Talvez seja uma oportunidade de me surgirem novos objectivos, já que estes meses têm sido tudo menos faceis.
Por isso vou continuar a fazer por mim, pois esse objectivo é o unico que ainda não perdi.
A verdade é que me apercebi que os meus objectivos têm desaparecido, não sei bem como nem porquê...
Aquela força que tanto me caracteriza há-de reaparecer. Sei que está algures por aqui escondida: )

Quanto à musica que hoje aqui deixo...bom, não tem significado algum especial. Apenas gosto, apesar de me deixar mais lamechas quando a oiço.
Sabem aquele tipo de musicas que nos tocam o coração que nos trazem uma lágrima aos olhos? Pois para mim esta é uma delas.
Bem, devo estar é a precisar de beber uns copos....eheheheh.

Hoje precisava fazer este desabafo. Foi um dia longo!

Como eu própria costumo dizer, às vezes gosto de divagar. E este é o meu canto onde o posso fazer. Ainda bem que ele existe: )

Haja alegria, seja ela de que forma for!..

sábado, 1 de agosto de 2009

Música no coração

Parece que estou sem sono....
Agarrei-me ao youtube e ainda não parei de ouvir música.
Deixo-vos uma das minhas musicas de sempre!



humm..... Outra!



Esta está fantástica! Já a tive no meu meu perfil do hi5.
La Isla Bonita....: )



Bom, vou-me deitar e deixar-me de musicas e cantorias.
Sem inspiração para escrever, o melhor é não me aventurar a escrever mesmo.

Falta de inspiração

Reactivei o meu blog, mas sinto uma enorme falta de inspiração para escrever o que quer que seja.

Apenas não quis apagar algumas coisas que escrevi com tanto sentimento. Outras apaguei, não por as querer esquecer, porque jamais as esquecerei, mas para não estar aqui escarrapachado determinadas descrições e sentimentos que me iriam custar reler. A mim e a outra pessoa....

Assim, mantenho o meu blog. Como sou uma mulher de sonhos e de muita poesia, é aqui onde divago e me exprimo! Principalmente quando a solidão aperta.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Study

Decidi dedicar-me aos estudos outra vez, visto que isto de andar a vender para os outros não está a dar com nada!!
Ainda não meu surgiu uma ideia genial para montar uma empresa própria, como tal o melhor é deixar-me de tretas e tirar um curso. Ah pois!
Digo eu que o curso de Marketing tem saída.... tem saída porque é a área em que trabalho, me envolvo e gosto de alma. Afinal de contas é importante fazer-se o que se gosta. E se hoje me surgiu a oportunidade de voltar a estudar, porque não agarrá-la?
Pois bem é o que vou fazer!
Fiz um intervalo para fumar um cigarro mas vou voltar ao estudo.
Aiiiiii porque raio não nasci rica?!?! Bom, provávelmente não seria o que sou hoje. E hoje entrego-me à Economia.
Socorrooooooooooooo..... Ainda falta tantooo!
Bem, vou estudar. Agora é que é!: )

terça-feira, 7 de julho de 2009

Lucidez

Adoro esta frase de Álvaro de Campos. Está simplesmente genial : ))


"Sou lúcido. Merda! Sou lúcido."
(Álvaro de Campos)

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Papoila

Uma das minhas flores favoritas é a Papoila....
Além de me fazer lembrar o campo de papoilas que existia durante a Primavera nas traseiras da nossa casa em Stº André, ela transmite-me a ideia do selvagem, pois assim que é colhida ela começa a morrer.
Já repararam que nunca viram uma papoila à venda em nenhuma florista.... Pois é, elas murcham e não se adaptam a um vaso ou um bouquet.
Elas necessitam da terra, do sol... da liberdade para sobreviverem e manterem a sua beleza.

É a melhor flor que encontrei para ilustrar esta frase:




"As flores refletem bem o verdadeiro. Quem tenta possuir uma flor verá a sua beleza murchando. Mas quem olhar uma flor no campo permanecerá para sempre com ela."
(Paulo Coelho)



E eu permaneço eternamente com aquelas papoilas por trás da nossa casa.... Foi lá que aprendi que a maior beleza da flor é deixá-la livre, onde ela pertence, ao invés de a colher. Assim todos os dias podia admirá-las.... E garanto que passava horas a olhá-las ao vento. São lindas...
Mais tarde aprendi, que tal como as flores, é importante manter livres aqueles que amamos para mantermos a sua beleza intacta!

Dar!



"O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá."

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Elton John no Pavilhão Atlântico


«Don`t Let The Sun Go Down On Me». O título da música de Elton John diz o que o cantor pensa da transferência do jogador português do Manchester United para o Real Madrid. Elton John dedicou-lhe o tema no concerto deste domingo, no Pavilhão Atlântico, em Lisboa.
«Para o Ronaldo, a transferência mais cara de sempre», disse Elton John à audiência, desconhecendo-se, contudo, se o craque seria uma das cerca de 13 mil pessoas que assistiram ao concerto do músico britânico.

Elton John teve uma calorosa enchente no Pavilhão Atlântico. Quem não o viu há 9 anos no Casino do Estoril, quando cancelou o concerto 15 minutos antes do início por causa de uma cena de ciúmes com o namorado, terminou esta noite de braços no ar a dançar e cantar. Os êxitos musicais da carreira do cantor percorreram a set list de alto a baixo. «Rocket Man» é a digressão que assinala os 40 anos em palco. Uma efeméride bem mais forte do que a crise financeira, pois o recinto encheu-se com 13 mil bilhetes vendidos, apesar do preço dos ingressos ir até aos 125 euros.

O «rocket» público há muito que esperava pela oportunidade de ver Elton John em palco, ele que se estreou em solo português no Festival Vilar de Mouros, em 1971, e passou por cá uma segunda vez no Estádio de Alvalade, em Lisboa, a 16 de Julho de 1992, cerca de dois meses antes de também Michael Jackson subir ao mesmo palco nacional.

O «rocket» público esperou demasiado tempo para o ver actuar. Tanto que envelheceu. Agora são famílias com filhos crescidos, casais nos «entas» e grupos de colegas de escritório - sobretudo elas. Também são alguma/muita juventude perdida no tempo, gente nascida quando a bela «Nikita» dominava as tabelas de discos mais vendidos - um tema do álbum «Ice on Fire» sobre a Guerra Fria e que ficou de fora deste concerto.

O regresso de Elton John foi memorável e até teve autógrafos no fim. Pontualidade britânica, meia hora depois do concerto começar ainda entrava público. Quem perdeu essa meia hora ficou sem «Funeral for a Friend/Love Lies Bleeding», o arranque dedicado a Jackson. E desde logo, sem «Saturday Night`s Alright», a primeira música a ser recebida de pé pela audiência. Seguiu-se «Burn down the mission», que pôs toda a gente em sintonia e de telemóveis em riste. Este foi o primeiro ponto alto do concerto de Elton John no Atlântico. Com «Daniel» o público fez de coro, cantando em uníssono apesar deste ser um tema do já longínquo álbum de 1973 - «Don`t Shoot Me I`m Only The Piano Player», trabalho feito em parceira com o letrista Bernie Taupin e de onde emerge outro grande êxito da carreira de Elton, «Crocodile Rock», que não ficou de fora do alinhamento.

Editado em 2001, «Songs From The West Coast» (álbum quatro estrelas na «Rolling Stone») teve honras a anúncio ao microfone por parte de Elton John, que escolheu o tema «I Want Love» para interpretar. O público mais apaixonado não podia ter correspondido melhor ao tema, com muitos beijinhos a estalarem nas bancadas. Depois foi a euforia que se esperava com «Rocket Man» e o refrão repetido de que «I Think It`s Going to Be a Long Long Time». Já com «Sorry Seems To Be The Hardest Word» foi a emoção e as cadeiras começavam a ficar livres, com muita gente de pé a dançar.

«Sacrifice» terá tido das recepções mais calorosas por parte da audiência, este que foi um dos hits de 1989. Outra música que brilhou na plateia foi «Candle In the Wind» escrita para Marilyn Monroe e depois adaptada a «The English Rose» para homenagear a amiga princesa Diana.

«Are You Ready For Love», «Midnight Creeper», «Susie», «I`m Still Standing» e «Your Song» - esta última a encerrar o encore, - foram alguns dos temas entoados por Elton John.

"Quem Mexeu No Meu Queijo?"



Quem Mexeu no Meu Queijo? é um livro motivacional escrito pelo Dr. Spencer Johnson. O livro apresenta uma parábola envolvendo quatro personagens: dois ratinhos, Sniff e Scurry, e dois "homenzinhos", Hem e Haw.

É uma alegoria que retrata os objetivos que cada um de nós temos e as mudanças a que estamos sujeitos durante a busca destes objetivos. Durante a leitura, o leitor pode observar que atitude cada personagem toma diante das adversidades da vida.

Na parábola proposta pela obra, os quatro personagens estão em busca de um mesmo objetivo: um posto repleto de queijo. Ao encontrá-lo, todos ficam felizes e imaginam o que farão com tanto queijo.
No entanto, os personagens esquecem de que, à medida em que fazem uso do queijo, este vai acabando. Ao perceberem que o queijo terminou, cada um toma uma atitude diferente - da mesma maneira que cada um de nós, que também assumimos posturas diferentes diante de uma dificuldade.

O livro passa, então,a mostrar o que cada personagem está disposto a fazer (ou a não fazer!) para obter mais queijo.

O significado: O queijo simboliza, na verdade, aquilo que cada um de nós almeja possuir, seja na vida pessoal ou no trabalho: saúde, prosperidade, conforto, etc. No entanto, a busca pelo que se quer nem sempre é fácil. Às vezes, nos deparamos com situações ótimas, que nos proporcionam alegria e satisfação pessoal; em outras, nos vemos em "becos sem saída".

A parábola mostra, então, que a vida não é necessariamente um caminho livre de empecilhos mas, sim, uma caminho repleto de sobressaltos e adversidades. A diferença é a maneira com que cada ser humano lida com tais adversidades.



Tenho este livro encostada numa prateleira da minha sala para ser devolvido ao dono... já lá vão uns anitos: )
Este foi dos livros que mais impacto teve para mim, emprestado por um grande, grande amigo. A mim demonstrou-me como realmente todos somos iguais. O que muda é a capacidade de cada um em enfrentar uma mudança ou uma adversidade. Considero uma leitura importante a qualquer pessoa, pois no minimo é curioso a forma como todos nós nos sentimos intimidados perante qualquer mudança.
Sugiro que o leiam; )

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Reverência ao destino


"Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso.
E com confiança no que diz.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem pra fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.
E é assim que perdemos pessoas especiais.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.
Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida.
Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só.
Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.

Fácil é ditar regras.
Difícil é seguí-las.
Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta.

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.
Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho.

Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata."


(Carlos Drummond de Andrade)

sábado, 13 de junho de 2009

Sorrir


"Se tua felicidade dependesse do meu sorriso, serei capaz de sorrir na minha maior tristeza para te ver feliz!"

(dedicado à minha filha)




Para mim sorrir é um modo de contrariar os momentos em que a tristeza me invade o coração.
Por isso hoje deixo um dos meus maiores sorrisos!




"Se a vida te der 1000 motivos para chorar, mostra-lhe que tens 1001 motivos para sorrir!!!"

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Amizade


A amizade é para mim é um dos pilares da minha vida!
Este post é dedicado a cada um dos meus amigos. E digo cada um, porque cada um deles ocupa um lugar próprio, especifico e especial na minha vida. Uns acompanham-me desde a minha infância, outros desde a minha adolescência. Outros surgiram numa idade mais adulta...Mas todos fizeram e fazem parte da minha formação e do que sou hoje.
Eu perderia um tesouro por cada um que saisse da minha vida...
Como eu costumo dizer: a vida tem coisas fantásticas, não tem?!


Um Amigo

"Um amigo é fruto de uma escolha.

É uma opção de amor

É a descoberta da alma irmã.

É a consciência clara e permanente de algo sublime
que não está na natureza das coisas perecíveis.

É um tesouro sem preço, um gostar sem distância,
de alguém presente em nosso caminho,
nas horas de dúvida, de alegria, demais para ser perdido,

importante para ser esquecido"

(Antoine Saint Exuperry)

Thought (Fernando Pessoa)

Hoje deixo-vos uma pequena frase...mas com muito que se lhe diga! : )

"A única maneira de teres sensações novas é construíres-te uma alma nova."

(Fernando Pessoa)



"Como é por dentro outra pessoa
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição de qualquer semelhança
No fundo."

(Fernando Pessoa)

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Caminhos


"Percorri caminhos , tantos que nem sei...às vezes eles surgem em minha mente, na velha sensação de dejá vu, uma fugaz lembrança do que fui ou do que sou, por onde andei, não sei...Talvez sejam sonhos...Talvez sejam reais. Só sei que às vezes penso que nada sei."
(lucijordan)

domingo, 7 de junho de 2009

Jogo de sentimentos. Amor & Loucura

"Contam que uma vez se reuniram todos os sentimentos e qualidades dos homens em um lugar da terra. Quando o ABORRECIMENTO havia reclamado pela terceira vez, a LOUCURA, como sempre tão louca, lhes propôs:
- Vamos brincar de esconde-esconde?
A INTRIGA levantou a sobrancelha intrigada e a CURIOSIDADE sem poder conter-se perguntou:
- Esconde-esconde? Como é isso?
- É um jogo, explicou a LOUCURA, em que eu fecho os olhos e começo a contar de um a um milhão enquanto vocês se escondem, e quando eu tiver terminado de contar, o primeiro de vocês que eu encontrar ocupará meu lugar para continuar o jogo.
O ENTUSIASMO dançou seguido pela EUFORIA.
A ALEGRIA deu tantos saltos que acabou pôr convencer a DÚVIDA e até mesmo a APATIA, que nunca se interessavam por nada. Mas nem todos quiseram participar.
A VERDADE preferiu não esconder-se.
- Para que, se no final todos me encontram?
A SOBERBA opinou que era um jogo muito tonto (no fundo o que a incomodava era que a idéia não tivesse sido dela).
A COVARDIA preferiu não arriscar-se.
- Um, dois, três, quatro...
- começou a contar a LOUCURA.
A primeira a esconder-se foi a PRESSA, que como sempre caiu atrás da primeira pedra do caminho.
A FÉ subiu ao céu e a INVEJA se escondeu atrás da sombra do TRIUNFO, que com seu próprio esforço tinha conseguido subir na copa da árvore mais alta.
A GENEROSIDADE quase não consegue esconder-se, pois cada local que encontrava, lhe parecia maravilhoso para algum de seus amigos. Se era um lago cristalino, ideal para a BELEZA. Se era a copa de uma árvore, perfeito para a TIMIDEZ. Se era o voo de uma borboleta, o melhor para a VOLÚPIA. Se era uma rajada de vento, magnífico para a LIBERDADE. E assim acabou escondendo-se em um raio de sol.
O EGOÍSMO, ao contrário, encontrou um local muito bom desde o início. Ventilado, cômodo, mas apenas para ele. A MENTIRA escondeu-se no fundo do oceano (mentira, na realidade, escondeu-se atrás do arco-íris). E a PAIXÃO e o DESEJO, no centro dos vulcões.O ESQUECIMENTO, não recordo-me onde escondeu-se, mas isso não é o mais importante.
Quando a LOUCURA estava lá pelo 999.999, o AMOR ainda não havia encontrado um local para esconder-se, pois todos já estavam ocupados, até que encontrou uma roseira e, carinhosamente, decidiu esconder-se entre suas flores. A primeira a aparecer foi a PRESSA, apenas a três passos de uma pedra.
Depois, escutou-se a FÉ discutindo com Deus, no céu, sobre zoologia. Sentiu-se vibrar a PAIXÃO e o DESEJO nos vulcões. Em um descuido, a LOUCURA encontrou a INVEJA e claro, pôde deduzir onde estava o TRIUNFO. O EGOÍSMO, não teve nem que procurá-lo: ele sozinho saiu disparado de seu esconderijo, que na verdade era um ninho de vespas.
De tanto caminhar, a LOUCURA sentiu sede e ao aproximar-se de um lago, descobriu a BELEZA. A DÚVIDA foi mais fácil ainda, pois a encontrou sentada sobre uma cerca sem decidir de que lado esconder-se. E assim foi encontrando a todos. O TALENTO entre a erva fresca, a ANGÚSTIA em uma cova escura, a MENTIRA atrás do arco-íris (mentira, estava no fundo do oceano) e até o ESQUECIMENTO, que já havia esquecido que estava brincando de esconde-esconde.
Apenas o AMOR não aparecia em nenhum local. A LOUCURA procurou atrás de cada árvore, embaixo de cada rocha do planeta e em cima das montanhas. Quando estava a ponto de dar-se pôr vencida, encontrou um roseiral. Pegou uma forquilha e começou a mover os ramos, quando, no mesmo instante, escutou-se um doloroso grito. Os espinhos tinham ferido o AMOR nos olhos. A LOUCURA não sabia o que fazer para desculpar-se. Chorou, rezou, implorou, pediu perdão e até prometeu ser seu guia..."

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Fado

Hoje sinto-me um pouco melancólica.
Talvez seja do tempo. O céu está cinzento e não pára de choviscar. Está fresco e tive que encostar as minhas sandálias e calçar botas... E como eu gosto de andar de sapatos abertos. Sentir o calor nos pés:)
Por isso hoje deixo três dos meus fados preferidos. Decididamente o fado é a nossa música, a nossa cultura. Triste, mas profundo.
Existem momentos para tudo, até para ouvir determinados tipos de musica. Hoje a minha musica é o fado!
A fado de Mariza é sem sombra de duvida excepcional. A interpretação fantástica.
Música com alma.



Fado de Amália interpretado por Mariza. Lindo!



Arrepiante a forma sentida como este tema é interpretado. Um tema tambem original de Amália Rodrigues.

Liberdade



Liberdade

Ser livre é querer ir e ter um rumo
e ir sem medo,
mesmo que sejam vãos os passos.
É pensar e logo
transformar o fumo
do pensamento em braços.
É não ter pão nem vinho,
só ver portas fechadas e pessoas hostis
e arrancar teimosamente do caminho
sonhos de sol
com fúrias de raiz.
É estar atado, amordaçado, em sangue, exausto
e, mesmo assim,
só de pensar gritar
gritar
e só de pensar ir
ir e chegar ao fim.


De Armindo Rodrigues (1904 - 1993)